Areia Azul - Blue Sand

Às vezes é preciso se afastar para se ver de perto.

Foi caminhando que cheguei à Areia Azul. Não lembro ao certo qual verão foi, mas era verão. Entre o céu e o mar, tudo era areia e suor. A areia para se embalar de céu, o suor para alimentar o mar.
Perdi às contas de quantos passos são necessários para conhecer Areia Azul inteira. Às vezes um, nenhum, mil, depende. Areia Azul se apresenta diferente para cada visitante. É que as areias estão sempre em movimento.

Areia Azul se localiza exatamente entre o que foi e o que pode vir a ser.  Lá o tempo é salgado. Seja noite, seja dia. Ora é seco, ora é molhado. Só que na areia é demorado e no mar passa apressado.

Em Areia Azul aprendi que o azul pode ser preenchido de várias formas e de várias cores. Pode ter peixe, pode ter pássaro, ser branco, ser laranja.... As areias me mostraram como não se repetem as ondas.

E as ondas carregaram minhas certezas, se foram na correnteza. 

Eu, nada a fazer, observei. 

Sometimes you have to walk away to see yourself up close.

I walked to the Blue Sand. I do not remember which summer it was, but it was summer. Between the sky and the sea, everything was sand and sweat. The sand to pack from the sky, the sweat to feed the sea.

I have lost count of how many steps it takes to get to know the whole Blue Sand. Sometimes one, none, one thousand, depends. Areia Azul is different for each visitor. The sands are always moving.

Sand Blue is located exactly between what was and what could be. There time is salty. Be night, be day. Now it is dry, now it is wet. Only in the sand is it time consuming and in the sea he rushes past.

In Sand Blue I learned that blue can be filled in various shapes and colors. It may have fish, may have a bird, be white, be orange .... The sands have shown me how the waves are not repeated.

And the waves carried my certainties, if they went in the current.

I, nothing to do, I observed