Setembro 2015

September 1, 2015

Escrevo

Escrevo para fugir da morte,
para não depender da sorte,
ou do sucesso que alimenta os egos.

Retorno sempre ao papel,
caneta, lápis ou pincel.
Escrevo, desenho ou pinto,
o que me foi dado como destino.

Tento unir o futuro ao passado,
Escrevo para restaurar
os homens fragmentados.


Desconfiada

Sou feita da mesma natureza
De que são feitos os seres desconfiados.
Tenho pele de camaleão
E olhos de coruja,
Caminho apressada pelas ruas.

Não confio em esquinas,
Nem em portas abertas,
Tampouco em coincidências do destino.
Por via das dúvidas,
Dou duas voltas na fechadura.

Certa vez escutei um canto:
Era a canção da bondade humana.
A sereia que encatava
Com sua boca infinita
Os corações devorava.

Não me oriento pela beleza do reflexo,
pela doçura do discurso,
Ou pela fragrância do gesto.
Prefiro ser gato
E manter os olhos abertos.

 

Rio morto

O cheiro de esgoto deste rio morto
Invade a praça de alimentação.
Onde comerei então?
Que lugar será permitido?
Estaciono meus pensamentos neste edifício.

Muitas camadas de asfalto
São necessárias para afastar o barro
Que, sob meus pés, sangra
As dores das carnificinas
Testemunhadas pelas esquinas.

Sob o fogo do progresso
O homem prometeu o certo,
Criou a águia da economia,
Que devora seu fígado todos os dias.

É meu sangue neste prato de porcelana.
Minha alma vira lama.
Sinto o gosto do esgoto
E me vou com este rio morto.

Please reload

Posts Recentes

09.12.2016

09.12.2016

Please reload

Arquivo
Please reload