Novembro 2015

November 1, 2015

Canção do Exílio de Mariana

Minha terra tem Mariana
Onde morreu o Sabiá
Aves que ali gorjeavam,
padeceram de lamentar.

 


Nosso céu tem menos brilho,
Nossas várzeas zero flores
Nossos peixes já sem vida,
De nossa vida restam dores.


Em cismar sozinho, à noite
só tristeza encontro eu lá;
Minha terra tem Mariana,
Onde morreu o Sabiá.
Minha terra tem horrores,
Criminosos que não encontro cá.


Em cismar, sozinho, à noite
só tristeza encontro eu lá;
Minha terra tem Mariana,
Onde morreu o Sabiá.


Não permita, Deus, que o rio morra,
e que os bandidos se safem pra cá;
Que paguem atrás das grades
pelos crimes ambientais de lá;
Que um dia a vida volte,
e que volte o Sabiá.

 

Saudade

Do sonho pueril,
Do paraíso infantil,
Do gosto da goiabada,
Da vida tão certa, tão dada.

De brincar no quintal
Do avô tão paternal,
Das tardes de Domingo,
Dos dias findos.

De andar no muro,
De ouvir um sussurro.
De comer jambo,
De falar "te amo".

De desperdiçar o tempo.
De desenhar com o vento.
Das nuvens engomadas,
Da vida soterrada.

Do rio que não verei,
do homem que não serei.
Da princesa que não fui,
Do rio que não flui.

Do fim da guerra,
De começar uma nova era.
Da crença no futuro,
Da luz no fim do túnel.

Do banho sem prazo,
Da vida sem atraso.

 

Poema pros gatinhos

Em casa somos três

Eu, Valente e Amèlie.

Eu sou o menos humano

entre os que vivem aqui.

 

Até pareço gente.

Sou o mais racional,pense!

Sem rabo, ando ereto,

uso todo dia o cérebro.

 

Valente é aventureiro;

Amèlie, amor inteiro.
Vivem sempre o presente,

Respiram amor, sentem.

 

Rio Doce

A chuva que atormenta a porta,
A lama que soterra a horta.

O ar pesado de peixe morto,
Aorta entupida de desgosto.

O tempo preso neste Rio
Doce que jaz, sangra minério.

Na boca o vermelho, sou rio
e a mastigada dos impérios.

Pancadas à porta, um calafrio...
Rezo pela chuva e espero.
 

Please reload

Posts Recentes

09.12.2016

09.12.2016

Please reload

Arquivo
Please reload