vírus

May 18, 2016

Multiplicam-se como praga,
entranham-se na natureza,
sugando a vida, a riqueza.

Deixam atras de si um rastro,
percurso amargo
de um chorume ácido.

Ácido, como os percentuais dos homicídios
e os imperativos econômicos do capitalismo.

Ácido, como a erosão das entranhas das células,
dos corpos, da terra.

Ácido, como os esgotos-mares
as fumaças-nuvens e os trabalhos-ataúdes.

Parasita do planeta,
predador de todas as espécies,
vírus, metamorfoseado de mamífero.

Por um viés altruístico,
percebo nosso auto-extermínio.

Please reload

Posts Recentes

09.12.2016

09.12.2016

Please reload

Arquivo
Please reload